O bebê de 4 meses

Seu bebê está fortinho, adaptado à rotina, vocês juntos já passaram por dificuldades e venceram todas. Ele ganhou peso e está mais ativo. É agora que começa uma nova fase, e você, que trabalha fora, já fica com o coração um pouquinho apertado. A licença-maternidade está terminando e, em breve, você vai ter que voltar ao trabalho.

O bebê de 4 meses

Pode parecer difícil, mas acredite: toda mãe passa por isso e, em poucos dias, você vai se surpreender que é possível retomar sua vida profissional e social, sem deixar de ser a mãe que ele precisa.

Mas, enquanto isso não acontece, aproveite para curtir muito seu filhote. 

Acompanhe agora cada mudança que seu bebê vai passar em seu quarto mês de vida.

O peso do seu bebê de 4 meses

A caminho de completar 120 dias de vida, seu bebê terá atingido o dobro do peso que tinha ao nascer. Isso significa em média de 5,8 kg a 7 kg, se for menina e 6,1 kg a 7,5 kg, se for menino.

Quanto à estatura, o tamanho médio é de 62 cm para meninas e de 65 cm para meninos. Isso não quer dizer que bebês um pouco menores ou maiores estejam fora do normal. Dependerá bastante de sua genética e condições ambientais. Por isso, para afastar qualquer preocupação com seu desenvolvimento, não se esqueça da consulta mensal com o pediatra.

A alimentação do bebê de quatro meses

Seu pequeno príncipe (ou princesa) já está mamando com menos frequência, o que representa, em média, de 4 a 5 mamadas por dia, no seio ou na mamadeira. E isso tem um motivo: por estar mais desenvolvido, ele suga com mais vigor e, com isso, sacia a fome em menos tempo.

Mas atenção: não é porque o bebê mama menos que esteja na hora de desmamar. É importante que ele receba leite materno, pelo menos até o sexto mês e nada de alimentos sólidos por enquanto.

Pesquisas indicam que crianças que recebem outros alimentos que não o leite materno antes dos seis meses, acumulam mais gordura ao longo da vida, o que pode trazer problemas de saúde no futuro.

O soninho do seu bebê de 4 meses

Uma boa notícia é que, nessa fase, seu bebê provavelmente estará livre das cólicas. Por mamar com mais facilidade, sente menos fome e, com isso, dorme melhor, cerca de seis horas seguidas por noite.

Se esse não for o seu caso, e seu bebê ainda tiver dificuldade para dormir, ajude-o a relaxar seguindo esse ritual noturno: após um banho morninho e relaxante, deite-o no bercinho, na penumbra e converse com ele ou cante uma canção de ninar, enquanto acaricia suavemente seu rostinho ou barriguinha. Ele se sentirá seguro e acalentado, relaxando até dormir.

Atenção:

Se o seu bebê acordar durante a noite, sem que haja um incômodo ou fome, não o mova do berço. Converse com ele com suavidade para que ele se acalme e volte a dormir.

O desenvolvimento físico e emocional do bebê aos 4 meses

Nessa fase, o bebê já é uma “pessoinha” que interage mais com o pequeno mundo que o cerca e seus cinco sentidos estão mais desenvolvidos. Veja o que esperar da evolução do seu filhote nos próximos 30 dias:

Visão

Continua sendo o sentido menos desenvolvido desde o nascimento, porém, aos quatro meses, ele já distingue melhor formas e cores e reconhece as feições de pessoas mais próximas.

Por enxergar melhor, ele se distrai mais facilmente observando o que o cerca. Por isso, é tão importante ter bichinhos, adornos e objetos coloridos pendurados ou próximos ao seu berço.

Audição/Fala

Já compreende melhor os sons. Reproduz algumas vogais e agora também consoantes, instintivamente. Começa a emitir os primeiros sons: “mã-mã”, “pá-pá”, “gu-gu”.

Segundo especialistas, esses sons são considerados os mais fáceis de balbuciar, porém ele não sabe ainda o significado deles.

Tato/Movimentos

Nessa fase, o bebê percebe seus membros (mãos, pernas e braços) e começa a brincar com eles, especialmente as mãos, que leva sempre à boquinha.

Estende as mãos para tocar ou pegar objetos/brinquedos e interage com eles.

Quando deitado, mantém o rosto virado para cima (antes, ficava virado para os lados).

Sua cabecinha está mais firme quando no colo ou de bruços.

Deitado de bruços, ergue o corpo com os cotovelos e consegue girar o corpo sozinho.

Comportamento do bebê de 4 meses

Reproduz uma série de expressões e manifesta sentimentos e emoções:

  • Começa a copiar expressões humanas, sorrindo ou franzindo sobrancelhas.
  • Retribui o afeto com o olhar e o sorriso.
  • Sorri espontaneamente para pessoas próximas.
  • Sente prazer quando brincam com ele.
  • Seu choro já tem personalidade. Possui um choro para “fome”, outro para “cansaço” e assim por diante.
  • Usa as mãos e a visão ao mesmo tempo: ao ver um objeto, move as mãos para tocá-lo. Significa que “descobriu” seus membros superiores e inferiores.
  • Sente prazer quando “sentado” apoiado em travesseiros.

A fase do encantamento

Aos quatro meses, o bebê enxerga melhor e consegue distinguir as pessoas próximas. Ele ri com mais frequência e, segundo o pediatra Stanley Greenspan, autor de “Construindo Mentes Saudáveis”, passa a retribuir o afeto que recebe dos pais e pessoas próximas.

Começa a criar laços, seus olhos brilham e ele agita braços e pernas ao ver você se aproximar. Também demonstra mais suas emoções: medo, irritação, frustração, alegria.

A linguagem do bebê aos 4 meses

Por volta do 4º mês de vida, seu bebê começa a vocalizar emoções. Se, quando recém-nascido, ele apenas externava sentimentos pelo choro, agora tenta se comunicar com gestos e sons.

Mexe os lábios, emite sons de vogais e as primeiras consoantes:

b, p e m. Em pouco tempo, para sua felicidade, ele vai falar “mã-mã”.

Estimule-o a “conversar”. Sempre que ele emitir algum som, reproduza-o em resposta. Pesquisas indicam que crianças de 4 a 6 meses, cujos pais “conversam com elas”, aprendem a falar bem mais cedo que outras.

Vacinas do bebê de quatro meses

Aos quatro meses, prossiga o calendário de vacinas disponíveis na rede pública ou particular:

  • Vacina Pentavalente – contra difteria, tétano, coqueluche e hepatite B – 2ª dose.
  • VIP – Poliomielite – 2ª dose.
  • Vacina Pneumocócica – 2ª dose.
  • Rotavírus – 2ª dose.

Vou voltar ao trabalho, e agora?

No último mês da Licença Maternidade, as dúvidas são as mais diversas: Com quem deixar o bebê: creche, babá ou alguém da família? Será que ele vai se adaptar bem? Vão cuidar direito dele? É preciso desmamar?

Vamos por partes. Toda mãe passa por isso e cada uma escolhe a solução melhor para todos: para o bebê, para os pais e até para o orçamento familiar.

Algumas crianças se adaptam facilmente a creches. Outras, ficam melhor aos cuidados da vovó ou babá. Pese os prós e contras de cada escolha e use esse último mês para promover a adaptação do seu bebê a essa nova realidade.

Como fazer a transição

Como você deverá voltar em breve ao trabalho, precisa diminuir a quantidade de mamadas. Por isso, enquanto estiver em casa, reduza aos poucos o aleitamento no seio, substituindo por mamadeiras.

Se você optou por uma creche, procure fazer a transição ainda durante a sua Licença Maternidade. Escolha uma creche mais perto do seu trabalho para que possa ir ao local sempre que necessário.

O mesmo deve ser feito se o bebê for ficar com uma babá ou outra pessoa. Não deixe essa adaptação para a última hora.

Inicie esse processo antes de voltar ao trabalho para que seu filho se acostume aos poucos a essa nova rotina.

Trabalho e amamentação

Na volta ao trabalho, algumas mães conseguem se ausentar algumas horas para ir até a criança, em casa ou na creche, para dar de mamar. Informe-se sobre os seus direitos, pelo bem-estar do bebê.

Caso não seja possível estar com ele durante o dia, deixe tudo preparado para sua alimentação e não se preocupe, pois a criança se adapta a toda nova situação.

Lembre-se de continuar oferecendo o seio ao bebê sempre que estiver com ele: pela manhã e à noite, por exemplo.