O bebê de 21 meses

A criança de aproxima do segundo aniversário. Uma vez que essa idade é atingida, ela já é veloz o suficiente para correr pela casa e a cada dia que passa é mais difícil manter a sua atenção em algo específico.

O bebê de 21 meses

Nessa fase, a criança já possui um ritmo próprio e autêntico.

Crescimento

Os cinco sentidos estão cada vez mais acentuados. Vale lembrar que a visão tende a ser aperfeiçoada paulatinamente. Sendo assim, ele ainda é curioso o suficiente para observar tudo ao seu redor.

No que se refere ao tato, ele ainda precisa sentir com as mãos alguns objetos. Diante disso, ainda nessa fase, ele precisa reconhecer as características de superfícies que proporcionem sensações diferentes.

Quanto à audição, ele já é capaz de notar sons suaves e imaginar a origem deles. É possível perceber que ele é mais sociável com as pessoas que não fazem parte do seu meio, habilidoso com alguns jogos, independente em algumas tarefas e teimoso com os familiares.

Desenvolvimento

As birras podem aumentar nessa fase, sobretudo quando os responsáveis não deixam a criança comer alguma coisa ou limitam o horário do uso de aparelhos eletrônicos.

Caso o seu filho esteja atravessando essa fase, aconselhamos que comportamentos inadequados sejam ignorados e que mantenham a calma. Converse calmamente com a criança e explique a razão da negativa.

Quando esse momento tiver passado, fale com ela e ressalte que pirraças não culminam na obtenção do desejado.

Sono

Geralmente, até os três anos, a criança possui a necessidade de sesta e dorme por volta de uma ou duas horas durante a tarde.

Vale mencionar que, a partir dessa idade, algumas crianças se mantêm agitadas e não dormem após o almoço. Contudo, ainda que não durma, sugere-se que a criança fique na cama ou em algum ambiente em que se sinta confortável, como no quarto de brinquedos, por exemplo. O importante é que a criança sinta o corpo e a cabeça descansados.

Faz-se importante destacar que a imaginação da criança está cada vez mais fértil e isso pode desencadear novos medos. Sabemos que é instintivo dizer “Não tenha medo disso”. No entanto, sugerimos que os medos não sejam menosprezados. Mostre que entende os medos dos seus filhos e o incentive a enfrentá-los. Se o problema for água, seja da cachoeira ou piscina, você pode entrar primeiro para ele ver que não é tão assustador. Em seguida, dê as mãos à criança e peça-a para molhar os pés. Lembre-se de não forçá-la. Dê tempo ao tempo.

Alimentação

No que tange à alimentação, a criança continua no processo de experimentar novos sabores e texturas. É importante lembrar que não devemos obrigar as crianças a experimentar nenhum tipo de alimento. Mostre a ela que ela tem a liberdade de provar o que quiser e quando se achar pronta para tal.

Um bom exemplo continua sendo a melhor estratégia.

Bem-estar

Até que a criança esteja um pouco mais desenvolvida, tenha cuidado com os objetos de decoração. Crianças são muito curiosas nessa fase, logo podem puxar a toalha da mesa e o objeto pode ora acarretar um acidente, ora danificar.

Nessa perspectiva, sugere-se que alguns objetos sejam deixados fora do alcance da criança, como cinzeiros, vasos de flores de vidro, fósforos, plantas venenosas, produtos de limpeza e coisas do tipo.

Coloque proteções em todos os móveis angulosos. Crianças nessa fase gostam muito de correr e, sem perceber, podem bater na quina de algum móvel e se machucar. Se a casa tem escadas, coloque um portão, barreira de segurança tanto na subida quanto na descida e corrimão.

Entretenimento

Caso queira estimular a criança, você pode brincar com ela de “quem é quem”. Para tal, você pode fazer cubos de diferentes tamanhos e cores. Feito isso, você poderá nomear cada um à medida que ensina à criança. Isso ajudará a associar as cores aos nomes e, simultaneamente, será possível distinguir as formas básicas.

Ainda nesse seguimento, você pode selecionar fotos da família e dos amigos. Mostre a ela quem é quem e diga os respectivos nomes. Mostre as fotos em ordem diferente e veja se ela se lembra.

Emoções

Nessa idade, a criança está um pouco mais adaptada a ficar longe dos pais. Sendo assim, já é possível deixá-la na casa dos avós, por exemplo.

Como o desenvolvimento da fala já está muito avançado nesse momento, ela já sabe se expressar e se sente mais segura diante de algumas situações. Entretanto, ela ainda exige muita atenção e carinho. Caso ela seja muito apegada a algum responsável, experimente fazer algumas brincadeiras. Explique que se ausentará por alguns minutos e marque no relógio. Aumente o tempo aos poucos e deixe-a saber que você voltará.

É essencial ter cuidado com as crianças quando estiver em contato com animais. Há algumas que ficam fascinadas por eles e, tendo em vista que ela já tem coordenação motora suficiente, já consegue se abaixar para pegar algum animal e levá-lo à boca.