O bebê de 12 meses

O bebê chegou ao primeiro ano de vida! Um importante rito de passagem está prestes a acontecer, visto que, em algum momento, o seu filho poderá dar os primeiros passos sozinho.

O bebê de 12 meses

Ainda nessa perspectiva, o bebê de 12 meses, com o auxílio de uma colher, já consegue se alimentar sozinho.

Crescimento

Caso o ritmo do desenvolvimento do bebê tenha sido acelerado, saiba que, a partir de agora, ele tende a ficar um pouco lento. Além disso, os progressos físicos não causarão tanto espanto, visto que a criança já atingiu um alto nível de desenvolvimento.

Vale lembrar que a linguagem e capacidade de raciocínio evoluirão de uma forma impressionante.

Alimentação

No que tange à alimentação, a criança de um ano está apta a se alimentar de praticamente todos os alimentos.

Faz-se importante mencionar que nenhum alimento picante, bebidas que contenham cafeína e, obviamente, bebidas alcoólicas devem ser oferecidas a uma criança.

Na idade de um ano, é divertido para a criança comer sozinha, mesmo que não acerte o alvo sempre. Embora ela consiga segurar a colher sozinha, o controle motor ainda não é muito assertivo. Nesses casos, sugerimos que seja dada uma ampla liberdade a ela. Deixe-a tentar.

Caso queira evitar que a comida suje a roupa do bebê, coloque um babador grande, preferencialmente de plástico. Além disso, procure servir pratos com alimentos já cortados e não apresse a criança. Lembre-se que cada um tem o seu tempo.

Sono

Acordar durante a noite é parte natural do ciclo de sono de uma criança de um ano. Além disso, administrar os horários são pontos chave para um sono tranquilo. Sendo assim, se o seu filho costuma cochilar ao final da tarde, o sono dele poderá ser incompleto durante a noite.

Nesse sentido, o horário apropriado para um cochilo é no início da manhã e/ou da tarde. À medida que a criança crescer, opte pelo cochilo após o almoço. Isso permitirá que haja um intervalo significativo antes do sono noturno.

Cabe mencionar que, se determinadas ações se repetirem todas as noites antes de colocar o seu filho para dormir, ele notará com o passar do tempo que está chegando a hora de dormir. Para esses casos, é possível tomar um leite quente, vestir uma roupa aconchegante ou contar uma história, por exemplo.

Ainda nessa perspectiva, ressaltamos que é bom ter horários regulares para algumas atividades, como almoçar e brincar, ainda que nos finais de semana. Dessa forma, o organismo se acostumará e ele vai saber o que esperar.

Emoções

No que versa sobre o ponto de vista emocional, a criança já é um pouco mais autônoma. Diante disso, os períodos de separação, ainda que por curtos espaços de tempo, já podem ser vivenciados como uma oportunidade para fazer novos amigos.

Caso seu filho ainda não consiga lidar muito bem com a distância, proporcione a ele pequenas separações, como ir à padaria e deixá-lo com algum parente próximo. Estimule o contato dele com outros entes familiares e avise que irá se ausentar por um tempo. Em paralelo, diga que, quando voltar, vocês brincarão bastante.

Bem-estar

Aproveite todas as chances para conversar com o bebê e fazer disso um momento único. Nesse momento, concentre-se nele e articule os sons das palavras. Estimule o diálogo e provoque a criança com respostas simples, mas que mantenha sua atenção. Lembre-se que o tempo de resposta é indiferente.

Para esses momentos, cante músicas. Pode ser uma para a hora do banho, outra para o horário do almoço e outra para dormir. Opte sempre por canções fáceis, curtas e repetitivas. Caso prefira contar histórias, crie um tipo de voz para casa personagem. Crianças se sentem bem ao criar amigos imaginários.

Ainda há opção de instrumentos musicais, como chocalhos. Enquanto ela toca, marque o ritmo com palmas ou algum outro de sua preferência.

A comunicação quase sempre se dá de forma instintiva. Contudo, tente não usar diminutivos nas conversas com a criança. Lembre-se que ela está na fase de crescimento e não é mais um bebê.

Entretenimento

O bebê de um ano gosta de atirar os brinquedos no chão e, quando alguém pega, ele tende a pensar que é uma brincadeira e os atira novamente.

É importante lembrar que é fundamental a presença de um adulto, seja na hora da refeição ou de brincadeiras. Isso vale tanto para a segurança da criança quanto para possíveis episódios de engasgos.

Visando a segurança, sugere-se que portões sejam colocados em escadas, redes de proteção nas escadas e varandas, bem como travas nas portas dos veículos. Ao sair, cheque se a porta está travada e se produtos de limpeza estão fora do alcance das crianças.

Medidas preventivas podem evitar acidentes como queimaduras e intoxicação.